Thursday, August 31, 2006

O mito do "catenaccio"


O futebol italiano não se livra do rótulo de “defensivista”, que foi e continua obstinadamente a ser colado ao seu futebol..
Ultrapassando a questão de se saber se, actualmente, a dicotomia do futebol defensivo/futebol ofensivo faz sentido, é incontornável reflectir sobre os rótulos permanentemente aplicados (por muitos) ao futebol italiano.

Importa recordar que o País onde foi inventado o catenaccio, foi o mesmo país que deu a conhecer ao mundo do futebol, a chamada “zona mista”, que tal como o nome indica, consistia num método defensivo que mesclava marcações á zona e marcações ao homem. Contudo o advento ainda mais significativo foi a “zona pressionante” de Arrigo Sachi.

É certo que o “catenaccio” era um sistema de jogo, enquanto que a “zona pressionante” era um método de jogo (defensivo), contudo, daí não se pode concluir a maior importância do primeiro face ao segundo, aliás, se se subscrever aquela ideia de que mais do que o sistema de jogo, é a dinâmica do mesmo (dada pelo modelo de jogo) que é realmente importante, então, é que não se pode mesmo subvalorizar o advento da “zona pressionante”.

A incorporação do pressing na “defesa à zona” consistia numa forma agressiva de marcar o espaço e o portador da bola, com o claro objectivo de, não apenas impedir o desenvolvimento da acção ofensiva contrária, mas também de recuperar a bola de forma rápida para poder iniciar o ataque.

A “zona pressionante” de Arrigo Sachi, implementada no seu A.C. Milan da década de 80, para além de um método defensivo, constituía, também, uma forma organizada de atacar. Uma equipa tem que ter um método para defender e outro para atacar, e de preferência, ambos devem ser compatíveis de forma a potenciarem a eficiência do jogo da equipa no seu todo, isto é, nas fases defensiva e ofensiva e respectivas transições entre as mesmas, o que constitui actualmente um dos grandes princípios de jogo das equipas de top actuais. No entanto, e apesar de quase nada restar dele nos campos de futebol mundiais, o futebol italiano continua a ser olhado, injustamente, apenas à luz da invenção do catenaccio.