Friday, June 15, 2007

Cristiano Lucarelli: Futebol, política e golos


Época – 04-05 – 35 jogos – 24 golos
Época – 05-06 – 36 jogos – 19 golos
Época – 06-07 – 34 jogos – 20 golos

“A política está em todas as coisas, inclusive na minha camisola”.
A frase é de Cristiano Lucarelli, um dos melhores pontas de lança do Calcio.

A cidade de Livorno, situa-se na região da Toscana, a 86 km de Florença, onde Antonio Gramsci fundou o Partido Comunista Italiano em 1921. O seu clube de futebol mais representativo é o A.S. Livorno Cálcio onde actua Cristiano Lucarelli, conhecido por ter uma massa adepta profundamente associada ao ideário socialista, sendo que o possante avançado italiano é um assumido partidário desses mesmos ideais. São conhecidos os duelos travados nas bancadas entre as claques do Livorno e por exemplo as da S.S. Lazio – conhecida pelo carácter fascista das suas claques.

Lucarelli, enquanto futebolista e concretamente, enquanto ponta de lança, dispensa apresentações, pelo menos para os mais atentos ao Calcio. Para os menos familiarizados com o futebol italiano, basta olhar para os números apresentados atrás.

Mas a popularidade do goleador não se limita às suas capacidades futebolísticas. Lucarelli é um símbolo do clube e da cidade toscana, tendo inclusive já rejeitado convites de clubes maiores por causa das suas convicções políticas.
Cristiano Lucarelli que costuma comemorar os seus golos com o braço erguido e punho fechado foi um dos fundadores da claque organizada do Livorno, as BAL (Brigadas Autónomas Livornesas).

Lucarelli, o futebolista que disse que “há jogadores que com um bilião de dólares compram iates e ferraris, mas que ele, simplesmente compraria a camisola do Livorno”, é apontado como alvo do Benfica para a próxima temporada. Sem dúvida que seria um excelente reforço para o clube da Luz.

5 comments:

Unknown said...

O Lucarelli nunca jogaria na Lazio?

Paulo Santos said...

Não sei!
É um facto que são os seus adeptos ( a maioria) que se assumem partidários dos ideais de direita extremista. O clube (a instituição) apenas tem o rótulo de ter sido o clube preferido do ditador Mussolini.

Tiagojcs said...

Pois pelo menos poderia ensinar ao Mantorras quem foi Marx ...

Excelente blog , conteudo e imagens muito boas.

http://catedraldapalavra.blogspot.com

Unknown said...

Gostei deste artigo... acho que vou escrever alguma coisa a partir dele. Aqui no brasil, os jogadores são todos uns cabeças de bagre que não têm idéia nenhuma de que sociedade buscam.

Paulo Santos said...

Sidarta, então e a chamada "democracia corinthiana" do dr Sócrates, do Casagrande, entre outros jogadores que desafiaram a ditadura na década de 80?